Sites Grátis no Comunidades.net
Enquete
Qual o papel da Doutrina Espírita?
Promover mudanças sociais
Despertar as criaturas
Propagar a boa nova
Assistir os necessitados
Promover a igualdade
Esclarecer o homem
Renovar o íntimo
Todas estão corretas
Ver Resultados

Rating: 3.3/5 (407 votos)



ONLINE
1





Partilhe este Site...

 

 

COLABOREM  COM O SITE  DO SAMARITANO

DEIXANDO SEUS COMENTÁRIOS

NO MURAL DE RECADOS!

 

 

 

Fiéis são as Luzes que cintilam,

Eriçadas para o belo indefinível...

Agradáveis são os sons, que suavemente,

Propagam a Harmonia...

Terna é a brandura, que em paz solene,

Cumpre o equilíbrio...

 

(Sandro de Menezes Azevedo -GES)

  

 

Quando nascemos, recebemos uma Vida,

Divina em Essência, grandiosa em Ação, justa em Resultados...

Configuramos o despertar para o ilimitado conhecimento,

e nos dispomos para a elevação de nossas próprias flores íntimas...

Nos limites de um extenso jardim Reformador,

estas impulsionam o ventre da terra,

educando os germes decompositores,

para a germinação das boas sementes

que hão de brotar no Coração dos Homens...

 

(Sandro de Menezes Azevedo -GES)

 

 

 

Últimas Notícias
Mais Acessados

PRÁTICA ESPÍRITA

              Toda a prática espírita é gratuita, dentro do princípio do Evangelho: “Daí de graça o que de graça recebeste”.

  •  A prática Espírita é realizada sem nenhum culto exterior, dentro do princípio cristão de que Deus deve ser adorado em espírito e verdade.
  •  O Espiritismo não tem corpo sacerdotal e não adota e nem usa em suas reuniões e em suas práticas: altares, imagens, andores, velas, procissões, sacramentos, bebidas alcoólicas ou alucinógenas, incenso, fumo, talismãs, amuletos, horóscopos, cartomancia, pirâmides, cristais, búzios ou quaisquer outros objetos, rituais ou formas de culto exterior.
  •  O espiritismo não impõe os seus princípios. Convida os interessados em conhece-los a submeter os seus ensinos ao crivo da razão, antes de aceita-los.
  •  A mediunidade, que permite a comunicação dos Espíritos com os homens, é  uma faculdade que muitas pessoas trazem consigo ao nascer, independentemente da religião ou da diretriz doutrinária de vida que adote.
  •  Prática mediúnica só o é aquela que é exercida com base nos princípios da Doutrina Espírita e dentro da moral cristã.
  •  O espiritismo respeita todas as religiões, valoriza todos os esforços para a prática do bem e trabalha pela confraternização entre todos os homens, independentemente de sua raça, cor, nacionalidade, crença, nível cultural ou social. Reconhece, ainda, que “o verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza”.
  •  “Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sempre, tal é a lei”.
  •  “Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente à razão, em todas as épocas da humanidade”.
  •  “Fora da caridade não há salvação”.
  •  O estudo das obras de Allan Kardec é fundamental para o correto conhecimento da Doutrina Espírita.

 

 

         (Extraído do Reformador, março, 1997 pg; 32 ).

 

 

 

 

PRECE DO ENTENDIMENTO

 

Agradeço as bênçãos que me deste, sem que eu soubesse compreendê-las.

Roguei-te paz e me enviaste as tribulações que me tumultuaram o recanto de ação, compelindo-me a lutar, por dentro de mim, para asserenar aqueles que me cercam somente após reconhecê-los tranqüilos é que notei a paz de todos eles, habitando-me o coração.

Supliquei-te defesa e determinaste que forças contrárias ao meu reconforto me atingissem o espírito e o ambiente em que me encontro, obrigando-me a longo esforço para criar refúgio e apoio para quantos me confiaste ao amor e, apenas depois de observá-los felizes, é que reconheci comigo a alegria de todos eles em forma de segurança.

Obrigado, Senhor, porque não me doaste aquilo de que eu precisava, segundo as minhas requisições e sim de acordo com minhas necessidades.

E agradeço, ainda, porque me mostraste, sem palavras, a significação do ensino que transmite ao teu apostolo da humildade:

- "É dando que se recebe."

 

 

 

 

MEIMEI

 

 

 

"A esperança é flor vivente,

alva estrela resplendente,

que ilumina os corações,

que conduz as criaturas às almejadas venturas entre célicos clarões.

A esperança é qual lume,

ou capitoso perfume que nos alenta na dor.

A caridade é uma aurora que resplende a toda hora,

nada empana o seu fulgor." 

 

(Casimiro Cunha)

 

 

 


 

Passe Virtual - Clique aqui para acessar a sala.

 

 

 

 

NOS ENVIE UM EMAIL

 

 

 

 

 

 

MAHATMA GANDHI

"Não existe um caminho para a Paz.

A Paz é o caminho!"

 

 

 

"Você nem sempre terás o que desejas,
mas enquanto estiveres ajudando aos outros,
encontrarás os recursos de que precise"
CHICO XAVIER
 

 

 

 
 

MENSAGENS EDIFICANTES

Os Mensageiros
Mensagens Edificantes
Mensagens de André Luiz

 

 

"O olho é a lâmpada do corpo.

Se teu olho é bom,

todo o teu corpo se encherá de luz.

Mas se ele é mau,

todo teu corpo se encherá de escuridão.

Se a luz que há em ti está apagada,

imensa é a escuridão."

 

 

Não temas as provas de hoje.

Supera o mal com o bem.
Todos temos um amanhã.
No entanto, porque o futuro nos pertença

não menosprezes o momento de agora.
Se sofrestes desgostos não lhes conserves

os remanescentes no coração.
Esquece afrontas e ofensas.

O perdão desata quaisquer algemas

entre vítima e agressor.
O trabalho dissipa as sombras do espaço da alma.
Serve sempre.
Não cultives enfermidades imaginárias,

nem te amofines por aflições

que talvez não chegues a conhecer.

 

Dê Ânimo Firme
Pelo Espírito de: Emmanuel
Médium: Francisco Cândido Xavier

 



Não perca a esperança.
Há milhões de pessoas aguardando

os recursos de que você já dispõe.
Não perca o bom humor.
Em qualquer acesso de irritação,

há sempre um suicidiozinho

no campo de suas forças.
Não perca a tolerância.
É muita gente a tolerar você naquilo

que você tem de indesejável.
Não perca a serenidade.
O problema pode não ser assim tão difícil

quanto você pensa.
Não perca a humildade.
Além da planície, surge a montanha,

aparece o horizonte infinito.
Não perca o estudo.
A própria morte é lição.
Não perca a oportunidade

de servir ao semelhante.
Hoje ou amanhã,

você precisará de concurso alheio.
Não perca o tempo.
Os dias voltam, mas os minutos são outros.
Não perca a paciência.
Recorde a paciência inesgotável de Deus.

 

Não Perca
Pelo Espírito de: André Luiz
Médium: Francisco Cândido Xavier

 


 

 

 

 

Não te esqueças da riqueza encerrada

 

em teu auxílio no próprio corpo.

 

Reflete no tesouro da fala e ajuda

 

ao próximo com as boas palavras.
Recorda o patrimônio das mãos

 

e planta uma árvore amiga

 

ou socorre a esse ou aquele doente,

 

enquanto as horas voam,

 

em derredor de tua permanência na Terra.
Não menosprezes a fortuna dos ouvidos

 

e guarda o ensinamento útil ou dignificante,

 

esquecendo quanto seja ruinoso

 

ou sem proveito no caminho diário.
Não olvides a preciosidade dos olhos

 

e enriquece-te de luz, fixando os quadros do Bem.
Medita nos dons da inteligência e aprende

 

a raciocinar exclusivamente no melhor

 

a fazer na obra da elevação.
Não é preciso bolsa recheada

 

para atender à verdadeira fraternidade.
O amor não depende de ouro para servir.
Sem qualquer recurso monetário,

 

Jesus transformou a Terra,

 

trazendo-nos ensinamentos inolvidáveis

 

cuja grandeza cresce para nós todos no transcurso dos séculos.
Pelo amor nascemos,

 

pelo amor nos desenvolvemos,

 

através da morte, para renascer de novo,

 

até a perfeição final. Essa é a Lei.

 

(Emmanuel, de "Assim Vencerás", FCXavier)
Mensagem "Por Amor"

 

 

 

 

 

 

Feche os olhos e imagine o infinito...
Ele começa em suas próprias pulsações,
Sinta-o...
Tente penetrar na harmonia que habita em você,
Sinta a respiração, e dela se alimente...
Comece a desenhar o firmamento,
E a compor em partes a sua extensão...
Perceba que cada estrela, terá seu brilho,
Cada Astro terá sua posição...
E quando se perderes na imensidão,
Apenas contemple...
Verás que a cada instante, tudo se renova...

Planetas das mais variadas dimensões,

Cada um com sua constituição...
Tente deslumbrar o quão grandiosa é a obra de Deus...
Perceba cada detalhe, cada composição...
Tudo isso é um pouco do infinito,
Que aos poucos você conquista...
Não tente explicá-lo, apenas sinta-se parte dele...
Se Deus lhe concede o "Pensar", é por que quer que avances,
Emane vibrações no bem, deixe que o Céu lhe perceba,
E a cada segundo, plenificarás o teu Existir...

 

Sandro de Menezes Azevedo

(GES - Grupo Espírita Samaritano)

 

 

 

 

 

 

 

"Não ame pela beleza,

pois um dia ela acaba.

Não ame por admiracão,

pois um dia você se decepciona.

Ame apenas,

pois o tempo nunca pode acabar

com um amor sem explicação"

 

MADRE TEREZA DE CAUCUTÁ

 

 

"Todas as nossas palavras

serão inúteis

se não brotarem

do fundo do coração.

As palavras

 

aumentam a escuridão"

 

MADRE TEREZA DE CAUCUTÁ

 

 

 

 

Mortos? Não

 

Nós não somos

os mortos condenados

 

Aos sepulcros de treva

 e cinzas frias,

 

Tristes evocações

 das agonias,

 

Sob os dobres

dos sinos de finados...

 

 

 

Não estamos

nas lápides sombrias

 

Dos cemitérios

ermos e isolados,

 

Somos somente

amigos apartados

 

Pelo... espaço

das horas fugidias.

 

 

 

Crede que a luta é a

nossa eterna herança,

 

Com a qual marchamos

plenos da esperança

 

Que une os mundos

e os seres nos seus laços.

 

 

 

Depois da morte,

a luz de um novo dia

 

Resplende,

transbordante de harmonia

 

Pela serenidade dos espaços.

 

Antero de Quental  

por Francisco Cândido Xavier
Do livro - Lira Imortal

 

 

 

 

 

 

 

 

 


O Espiritismo Na Atualidade
O Espiritismo Na Atualidade

Depois de séculos de obscurantismo religioso e do dogmatismo imposto, consciências amadurecidas começam a despertar em busca de solução para os seus problemas transcendentes. Nos dias de hoje, vê-se um surto desenfreado de seitas e doutrinas que procuram atender aos Espíritos inquietos, sedentos de novas luzes. Há um inegável interesse pelo fenômeno, como res­posta a velhas questões filosóficas, sem qualquer consequência de ordem moral.

Nesse diapasão, vê-se um crescimento do espiritualismo no mundo, redescobrindo velhas práticas, com roupagem moderna. Presas ao imediatismo da vida material, as criaturas especulam em todos os campos possíveis, no encalço de fórmulas mágicas ou de revelações fantásticas que lhes atendam os anseios da curiosidade vã.

Quando se trata do comportamento humano e das suas consequências morais, o homem ainda se reserva o direito de não esmiuçá-lo, conservando-se como era (e como pretende continuar sendo), protegido pelos mecanismos de defesa da sua personalidade. A nova ordem de coisas custa a penetrar nos corações mais endurecidos.

O Espiritismo, porém, como o Consolador Prometido pelo Cristo, surge no horizonte humano como um oásis em meio ao universo da desinformação e da desesperança, oferecendo ao homem o conhecimento da verdade que liberta e eleva o Espírito.

Enquanto muitos ainda permanecem presos aos modismos, buscando soluções imediatistas para problemas enraizados na personalidade desde longa data, e aderindo a práticas místicas do passado, com roupagem moderna, "o Espiritismo, nos tempos modernos, é, sem dúvida, a revivescência do Cristianismo em seus mandamentos mais simples", como enfatiza Emmanuel.

Mostrando ao homem que ele é o interexistente, isto é, aquele que vive entre os dois mundos, oferece-lhe novas oportunidades de realização, por alterar-lhe o panorama das cogitações mentais. A sobrevivência além da morte já não encerra a criatura nos círculos intransponíveis do céu, inferno e purgatório. A pluralidade dos mundos habitados, da mesma forma não prende o Espírito nas teias incompreensíveis da mesquinha problemática planetária.

O diálogo entre vivos e mortos alarga o universo do conhecimento e preserva os laços afetivos bem formados. Os sofrimentos não são senão nódulos temporários na cadeia da evolução, dissolvidos pelo trabalho digno e pelo conhecimento de si mesmo, que levam o indivíduo a harmonizar-se definitivamente com os imperativos da lei divina. O princípio da reencarnação passa a ser entendido como a chave que abre as portas da existência a todos quantos desejem ardentemente atingir a perfeição a que todos estamos destinados pela Justiça e o Amor Divinos.

Hoje, encontramos na literatura espírita toda sorte de recursos para a renovação necessária, a começar pelas obras da Codificação. No Evangelho, o roteiro para a solidificação do comportamento fraterno cristão. Em O Livro dos Espíritos, os princí­pios filosóficos para a fortificação do pensamento formado. Em O Livro dos Médiuns, a prática mediúnica à luz da fenomenologia perispirítica.

Além disso, a obra de Francisco Cândido Xavier, com mais de 400 títulos, surge como um indispensável complemento para o conhecimento do Espírito imortal, mormente com as mensagens dos Espíritos de André Luiz e Emmanuel. Da pena mediúnica, ainda, cumpre ressaltar a obra de Divaldo Pereira Franco, composta de muitos títulos e ditada por Joanna de Angelis, Bezerra de Menezes, Victor Hugo e muitos outros Espíritos.

Não bastasse todo esse manancial de bênçãos, há ainda o trabalho dos clássicos como Léon Denis, Gabriel Delanne, Camille Flammarion e Ernesto Bozzano, entre os mais notáveis. Autores contemporâneos devem ser lembrados também: Hernani Guimarães Andrade, Jorge Andréa, Hermínio C. Miranda, Richard Simonetti, Paulo Alves Godoy, José Herculano Pires, Manoel Pelicas, São Marcos e outros.

Nos dias atuais, vê-se ainda o surgimento de novas práticas que se colocam dentro do vasto círculo da fenomenologia do espírito, entre as quais destacamos a TRVP (Terapia Regressiva a Vidas Passadas) e a TCI (Transcomunicação Instrumental), que auxiliam na elucidação de algumas questões da competência da Doutrina Consoladora. Todavia, "urge o estabelecimento de recursos para a ordenação justa das manifestações que dizem respeito à nova ordem de princípios que se instalam vitoriosos na mente de cada um ", adverte Emmanuel.

Hoje, sente-se a necessidade da unificação do Espiritismo, em torno do ideal do ensino espírita, do aprendizado da Doutrina, principalmente no que diz respeito ao Evangelho de Jesus, com a prática da caridade e do amor ao semelhante. Congressos mundiais ou internacionais vêm sendo organizados com essa finalidade, no Brasil e na Europa. É um fato histórico, de grande significado.

Se o Espiritismo começou com a curiosidade (causada pela estranheza dos fenômenos) e passou para a fase do raciocínio e da filosofia, é chegado o terceiro momento: da aplicação e das consequências. Já superamos a etapa da fé cega e chegamos ao porto seguro da fé raciocinada, sob as claridades inegáveis de um novo tempo. Não basta conhecer o Evangelho; é preciso praticá-lo. Não é suficiente ter os exemplos de Jesus na memória; é imprescindível inscrevê-los no coração e segui-Lo, além dos limites do tempo...

 

 

Deus quer que o homem pense nele, mas não quer que só nele pense, pois que lhe impôs deveres a cumprir na Terra. (“0 Livro dos Espíritos”, capítulo II da parte III.)

Os Espíritos encarregados da Codificação doutrinária forneceram a Allan Kardec preciosas instruções sobre o tema “Vida Contemplativa”, instruções que o sábio lionês inseriu no livro básico do Espiritismo.

É certo que o homem tem, de modo mais ou menos geral, relativa inclinação para o misticismo, excluídas, evidentemente, as tradicionais exceções da regra.

E, essa tendência, ainda bem generalizada em nosso tempo e em todos os climas e latitudes, tem feito que muitas criaturas, de ambos os sexos, se consagrem a uma vida em excesso contemplativa, desperdiçando, assim, valiosa cota de tempo, o que equivale dizer: enterrando, lamentavelmente, os talentos que a Divina Bondade lhes confiara através da existência física.

Este despretensioso artigo tem o objetivo de acentuar a manifesta atualidade do ensino espírita em face do momentoso tema “adoração a Deus”, embora devamos ressaltar que essa atualidade também se observa no que diz respeito a outros ângulos do conhecimento humano.

O Espiritismo não é, nem poderia ser contra a adoração ao Criador do Universo, embora defina e conceitue essa adoração em termos bem diversos dos adotados por outras respeitáveis correntes religiosas.

Para a Doutrina dos Espíritos, a adoração consiste, em princípio, “na elevação do pensamento a Deus”.

Disseram, ainda, as Entidades Superiores, responsáveis pela Codificação, que “a adoração está na lei natural; pois resulta de um senti mento inato no homem”.

Mas — reflitamos bem —, entre admitir, filosoficamente, como natural e justa, a adoração a Deus, e transformá-la em comportamento apático, formalista, convencional, do qual não participem a alma e o coração, e em virtude da qual se arrisque o homem ou a mulher a tornar-se inútil, à margem da dinâmica da vida, há, por certo, uma grande distância.

“A adoração verdadeira é do coração” —acentuaram os Espíritos, esclarecendo a Allan Kardec.

Adorar a Deus, em termos espíritas, significa amá-Lo com fervor e sinceridade; converter o próprio coração num santuário de compreensão e bondade; transformar a alma numa forja viva de ações práticas que resultem no bem e na felicidade do próximo.

A prática da caridade, que procede do mais profundo do ser, é o ato adorativo mais agradável a Deus.

Os Instrutores Espirituais, sem qualquer desapreço à adoração através da prece, costumam lembrar, com muita frequência, a “oração do trabalho” — isto é, o ato pelo qual o homem, pelo trabalho em favor do seu semelhante e que reverte, inevitavelmente, em seu próprio benefício, movimenta os seus recursos interiores, dinamizando a vida no sentido do esclarecimento e do progresso.

O que as Entidades Amigas desaconselham, sumariamente, sem o menor subterfúgio, é a vida simplesmente contemplativa.

Divergem elas dessa vida inoperante, extática, na qual foge a criatura humana das lutas redentoras, necessárias ao processo de despertamento e consolidação dos valores morais e espirituais.

Quando Allan Kardec perguntou se têm, perante Deus, algum mérito os que se consagram à vida contemplativa, responderam eles, taxativa e claramente:

“Não, porquanto, se é certo que não fazem o mal, também o é que não fazem o bem e são inúteis. Demais, não fazer o bem já é um mal. Deus quer que. o homem pense nele, mas não quer que só nele pense, pois que lhe impôs deveres a cumprir na Terra. Quem passa todo o tempo na meditação e na contemplação nada faz de meritório aos olhos de Deus, porque vive uma vida toda pessoal e inútil à Humanidade e Deus lhe pedirá contas do bem que não houver feito.”

É oportuno lembrar que a Doutrina Espírita tem mais de um século, eis que o seu primeiro livro, o básico, o filosófico, foi editado, precisa mente, em 18 de Abril de 1857.

Essa questão, pois, de imprimir à religião um sentido dinâmico, uma feição operosa, não é nova para os Espíritas, os quais, de modo geral, aliam, às suas tarefas de interpretação evangélica ou doutrinária, serviços assistenciais que, na verdade, constituem legítimo ato de adoração a Deus pelo trabalho

As correntes religiosas que, na época presente, sentem o imperativo de participação nos problemas humanos, no que toca à solidariedade, simplesmente executam aquilo que a Codificação preconiza há mais de um século.

O que se procura fazer hoje, nos quadros religiosos alheios ao Espiritismo, com a finalidade de dinamizar igrejas e templos, constitui fato re moto para a comunidade espírita-cristã.

É mensagem bem antiga, dos idos de 1857.

Os pioneiros da Doutrina no Brasil deram exemplo dessa fecunda atividade, onde o impositivo maior sempre foi o amor ao próximo, exemplificando, assim, a verdadeira adoração a Deus.

A medicação aos enfermos.

O passe magnético no recinto dos centros es pintas ou nas visitas domiciliares.

As excursões a morros e favelas, conduzindo o pão e a roupa, o alívio e o reconforto, foram uma constante na vida dos que vanguardearam o movimento espírita na “Pátria do Evangelho”.

Asilos e orfanatos, hospitais e creches fala ram ontem e falam hoje dessa compreensão que o Espiritismo transmitiu à mentalidade e à cons ciência de seus adeptos, de que “Deus quer que o homem pense nele, mas não quer que só nele pense, pois que lhe impôs deveres a cumprir na Terra”.

A inclinação geral dos espiritistas, sempre sob o estímulo e a orientação dos Instrutores Espirituais, continua sendo no sentido de que a nossas instituições não sejam somente o templo que esclarece e consola, nos domínios da fé, mas também, escola, orfanato, hospital.

No livro “Missionários da Luz” (autor, André Luiz, médium Francisco Cândido Xavier, edição da FEB), Alexandre, respeitável Mensageiro Espiritual, informa que, no futuro da Humanidade, os templos materiais do Cristianismo estarão transformados em igrejas-escolas; igrejas-orfanatos, igrejas-hospitais, onde não somente o sacerdote da fé veicule a palavra de interpretação, mas onde a criança encontre arrimo e esclarecimento, o jovem a preparação necessária para as realizações dignas do caráter e do sentimento, o doente o remédio salutar, o ignorante a luz, o velho o amparo e a esperança. O Espiritismo evangélico é também o restaurador das antigas igrejas apostólicas, amorosas e trabalhadoras. Seus intérpretes fiéis serão auxiliares preciosos na transformação dos parlamentos teológicos em academias de espiritualidade, das catedrais de pedra em lares acolhedores de Jesus”.

A atualidade dos ensinos espíritas, no que concerne à adoração a Deus, assunto objeto deste artigo, é patente.

Não perderemos por esperar, a fim de verificarmos, inclusive no que toca a problemas científicos, que tudo quanto o Espiritismo pro clamou no século XIX será comprovado e aceito no século XX por esta mesma Ciência que, ontem, preconceituosa e dogmática, tentava ironizar a Nova Revelação.

O Espiritismo não tem pressa em que lhe sejam reconhecidos os fundamentos, consciente, como está, de sua natureza divina.

Se a Doutrina Espírita teve opositores entre cientistas e religiosos, contou, por outro lado, com dezenas de homens ilustres, eminentes sábios que lhe estudaram as leis supranormais e proclamaram, alto e bom som, como exatos e verdadeiros, os seus princípios, através de pronunciamentos que marcaram época entre os legítimos valores culturais da velha Europa.

O Espiritismo continuará, pois, onde sempre esteve — altaneiro em sua humilde soberania.

Nós, os espiritistas, esperaremos que os homens de pensamento, penetrando nos vastos e imensuráveis oceanos da Codificação Kardequiana, se decidam, por eles próprios e pela evidência dos fatos, aceitarem-na, espontaneamente, numa atitude que os engrandeça e glorifique, ao invés de humilhá-los.

Aqueles que nunca duvidaram da Filosofia Espírita rejubilam-se, naturalmente, quando observam que, tal qual se verificou com relação ao Cristianismo, do qual “nem um til foi tirado ou nele posto”, também o Espiritismo, à medida que a Ciência avança e as Religiões evoluem, se afirma, no tempo e no espaço, por doutrina in vulnerável em seus fundamentos e capaz de, sob o crivo da razão e da lógica, impor-se ao consenso universal.

É profundamente confortadora a observação de que, entre o Cristianismo de Jesus e o Espiritismo de Allan Kardec, seu Codificador, existe mais este admirável ponto de concordância: ambos desafiam o tempo e cumprem, junto ao espírito humano, sua redentora missão.  

 

MARTINS PERALVA

(Reformador de fevereiro de 1964)